Olhar Comum » Arquivo » comfusão 3 – teatro paiol – ctba – 16/10/08

comfusão 3 – teatro paiol – ctba – 16/10/08

A facilidade técnica e a velocidade de circulação das obras musicais estão forjando uma realidade sonora na qual o fã compra o CD do artista e também vem presenteá-lo com o seu próprio, gravado em excelentes condições técnicas.
Mas, o artista não tem tempo para ouvi-lo, pois está enfurnado num estúdio preparando um novo trabalho que deverá compensar a pouca divulgação e acolhida do anterior, cujo lançamento coincidiu com uma época em que ouvintes cuidam de produzir seus próprios discos…

Jamais se produziu tanta canção de qualidade no Brasil. O problema é dar vazão a toda essa fecundidade num formato que evite o descarte sumário decorrente do atropelo informativo, e que estimule de algum modo a reaudição.
A produção hoje não busca o novo em si, mas o que pode permanecer e permanecer significa se tornar objeto de reprodução.
Novas composições são sempre apresentadas ao público em meio a muitas já consagradas. Porque ouvir é uma concessão da platéia, reouvir é o seu desejo.
É o prestígio de um compositor de sucesso que garante a presença de novidades no repertório de um show.
Mas a platéia diz: – Ok nós ouvimos, mas depois você canta as boas?

Luiz Tatit

Por que você quer ser artista?
Por que você quer ser cantor?
O campo precisa de gente!
Não tem mais agricultor.
Carlos Careqa

Rafael Camargo

Dear Rafa,
bom que o Rob está levando as “coisas” pra voce, tenho certeza de que vai ser legal voce aí­ com a Lala e o possível trabalho com a Katita!
Rafa, vou pagar as prestações do apê e o resto estará no Itaú.
Coma direitinho, faça ginástica na praia, não tenha preguiça hein!
Aqui tudo certo com “Bruxas” e Paulo Gorgulho. Com certeza vamos fazer turnê, São Paulo e Rio. Lá em casa tudo bem, mãe. Mandam beijos, não esqueça de passar sempre um pouquinho de gel, pra ficar mais bonito ainda… não consegui falar com o Shigueo sobre suas fotos…
Aos poucos tudo acontece, não se prive de nada. A gente merece!!
Tenho saudade! Saudade de rir contigo, de dormir na mesma cama, da nossa amizade, da afinidade, da intimidade. Mas sei que desta saudade ninguém morre, que é de admiração um pelo outro que a gente precisa…
Lembra! Aos poucos tudo acontece, não se prive de nada. A gente merece!!
Ainda tô enrolada, não peguei as notas fiscais. Jô não me deixa um minuto, a Suzana a Yumi, e eu estou gostando de estar só. Olha que ironia…
Beijos.
Chris.

Carlos Careqa, Claudinho Brasil e Rafael Camargo.

Nadja Naira.

“Não valeria mais escutar de fato? Concordar, ficar no seu papel, se divertir e não se preocupar, fazer o que dizemos e não o que pensamos, ficar com a cara boa da circunstância, cantar belas canções e falar longas horas entre pessoas que se ouvem e se entendem, sem se preocupar nunca em mudar o curso, nem mesmo por um segundo? E transformar o lugar da Arte, do Questionamento, a casa comum da nossa cidadania e da sua representação, em lugar tão razoável e inofensivo da diversão.”
Jean-Luc Lagarce

Bwaleska e Katia Horn

Suveni
Cumpade, quanta mardade!
Cumade, que farsidade…
à bera dágua o Aurera, o Pedro Caxinguelê,
o Venâncio, o Zé Curinga, a Mariquinha Sapê,
diz tanto verso bunito e nunca aprendeu a lê!…
ah, cumpade,
a natureza é uma carta de abc!
a poesia dos dotô – esses poeta lá da corte,
tá cheia de palavrão,
mais porém não vale nada,
é uma coisa atrapaiada, é uma atrapaiação…
é verso só de cabeça,
não é como os pé de verso desses cabra daqui, não!
os verso aqui do sertão,
é um beja-frô que se sente,
que sai da boca da gente
cas penuginha inda quente
do ninho do coração…
Catulo da Paixão Cearense
________________________________________________________________________________________

Bina Zanette, autora e produtora do Comfusão.

Obrigado a todos que participaram do projeto, a todos que foram assistir – qualquer uma das três edições – e que nos ajudaram a divulgá-lo.
Quanto ao fato de ser um projeto “para poucos”, queria encerrar o texto com uma frase do Gilberto Gil que foi colocada em pauta entre os muitos debates enriquecedores que tivemos no decorrer destes seis meses de projeto.
“O povo não sabe o que quer, mas também quer o que não sabe”.
Alexandre Nero – no blablablog



Deixe seu comentário

Ao acessar, percorrer e utilizar o site www.gilsoncamargo.com.br e seus sub-domínios, você estará aceitando as condições e termos aqui expressos, sendo responsável único e exclusivo, perante terceiros, sobre a (i) veracidade, (ii) legalidade, (iii) exatidão e (iv) boa-educação das informações que prestar e gerar nas caixas de comentários, isentando o mantenedor da página, de forma irrevogável e irretratável, de qualquer reclamação oriunda do mau-uso da página, pelo usuário. Se tiver qualquer dúvida a respeito de tais atributos, não comente.