Olhar Comum » Arquivo » “fotografia subjetiva – a contribuição alemã 1948-1963” – casa andrade muricy

“fotografia subjetiva – a contribuição alemã 1948-1963” – casa andrade muricy

A exposição que conta com a curadoria de J.A. Schmoll, apresenta através de 165 fotografias originais a contribuição alemã para a “fotografia subjetiva“, uma vertente internacional nos anos de 1948 a 1963.
As linhas tradicionais desta vertente retrocedem até a fotografia da Bauhaus nos anos 20 e ainda hoje muitos fotógrafos se consideram participantes desta tradição. A “fotografia subjetiva” não é impulsionada pela reprodução objetiva da realidade, mas pela interpretação pessoal através de representações imagéticas subjetivas. O resultado é uma fotografia estruturada  de forma consciente com valores gráficos acentuados em branco e preto.
Um precedente importante da “fotografia subjetiva” foi a fundação do grupo Fotoform em 1949 por Wolfgang Reisewitz  que se entendia como uma associação de jovens fotógrafos com os mesmos interesses e se via independente dos júris tradicionais. Seis fotógrafos pertenciam a este grupo: Otto Steinert, Peter Keetmann, Siegfried Lauterwasser, Toni Schneiders e Ludwig Windstoßer. Obtiveram seu primeiro grande sucesso com seu conceito da imagem fotografica moldada quando da primeira exposição Photokina em 1950, em Colônia, e estão representados nesta exposição. O grupo se dissolveu em 1957.
A segunda fase da “fotografia subjetiva“ na Alemanha  se desenvolve com Otto Steinert. Seus estudantes de fotografia na Escola de Artes de Saarbrücken, Monika von Boch, Kilian Breier e Joachim Lischke estão entre os novos nomes integrantes desta exposição, sob a legenda “Steiner e seus discípulos”.
As áreas do fotojornalismo e da fotografia de marketing estão representadas na mostra com fotografias de Robert Häusser e Stefan Moses, mostrando a transposição dos critérios estilísticos da “fotografia subjetiva” com a autenticidade imagética do motivo e sua formação estética como composição em preto e branco.

A exposição vem para Curitiba através do Goethe-Institut Curitiba e será aberta em 31 de julho na Casa Andrade Muricy, permanecendo até o dia 28 de setembro de 2008.


Casa Andrade Muricy refletida na fotografia “A árvore em frente a minha casa”, de Otto Steinert – 1956

“A fabricante de bonecas”, fotografia de Stefan Moses- 1962, em exposição

“Carpas”, fotografia de Adolf Lazi – 1950, em exposição na Casa Andrade Muricy

auto-retrato sobre “Retrato de Giselle”, de Guido Mangold – 1959



3 comentários para ““fotografia subjetiva – a contribuição alemã 1948-1963” – casa andrade muricy”

  1. Liz disse:

    Lindas, belíssimas fotos!

  2. jan disse:

    fui conferir a exposição, ontem… nas suas fotos, os reflexos foram seus aliados!

  3. jan disse:

    queria uma abraço da “vovó”, fabricante de bonecas…mto fofa!

Deixe seu comentário

Ao acessar, percorrer e utilizar o site www.gilsoncamargo.com.br e seus sub-domínios, você estará aceitando as condições e termos aqui expressos, sendo responsável único e exclusivo, perante terceiros, sobre a (i) veracidade, (ii) legalidade, (iii) exatidão e (iv) boa-educação das informações que prestar e gerar nas caixas de comentários, isentando o mantenedor da página, de forma irrevogável e irretratável, de qualquer reclamação oriunda do mau-uso da página, pelo usuário. Se tiver qualquer dúvida a respeito de tais atributos, não comente.