Olhar Comum » Arquivo » sérgio albach interpreta lápis

sérgio albach interpreta lápis

Durante o espetáculo “Comfusão 2 – Uma Perturbação Musical” . Teatro Paiol. 14/08/08

É no meu Paraná
ê ô
É no meu Paraná
ê ô
É no meu Paraná
ê ô
É no meu Paraná

Minha gente eu vou embora
Que vontade de chegar
Vermelha é terra do norte
O azul meu céu de cá
E o verde é esperança
Esperança tem por lá

O meu pinheiro que beleza
Majestade que aqui está
Que a Santa Felicidade abençoe o Paraná
Ponta Grossa, Antonina, Porto de Paranaguá

Nossos verdes cafezais
De Londrina e Maringá
Guarapuava, Vila Velha, Curitiba, Abatiá
Cataratas do Iguaçu
Tudo isso é o Paraná

Lápis

O compositor e músico curitibano Palminor Rodrigues Ferreira (5/10/1942 – 11/2/1978), o “Lápis”, apelido que teve origem pelo fato de que era preto e fino, é um dos principais nomes da música popular no Paraná. Foi ele um dos responsáveis pela introdução em Curitiba da mais legítima música brasileira, o samba.
Lápis teve como principal inspiração as marchinhas de Carnaval da cidade de Antonina, como na música Meu Paraná.
Apesar da intensa participação na vida musical e cultural do estado, o artista e seu repertório são quase desconhecidos pelo público paranaense.
A relação de Lápis com a música começou cedo. Aos 11 anos, já tocava pandeiro no “Programa Ciranda Infantil”, ao lado do Regional do Zé Pequeno, na Rádio Marumbi.Cinco anos depois, em 1958, formou, com alguns amigos, o grupo Tryanon, que se apresentava em clubes do bairro em que morava. No ano de 1967, Lápis formou o Grupo Bitten IV. Após o êxito em Curitiba, o grupo resolveu tentar a sorte no Rio de Janeiro, onde lançou um compacto simples com as músicas “Vestido branco” e ”Paticumbá”. Anos depois, o grupo se desfez e Lápis ficou no Rio de Janeiro trabalhando com Eliana Pittman, que gravou de sua autoria “Meu novo amor”.
Seu samba ”Paticumbá” foi gravado pelo conjunto Os Originais do Samba. Por essa época, Lápis se apresentou ao lado de Rosinha de Valença no palco do Teatro Casa Grande. Em meados da década de 1970, voltou para Curitiba, onde faleceu oito anos depois.
texto: portal bem paraná



Deixe seu comentário

Ao acessar, percorrer e utilizar o site www.gilsoncamargo.com.br e seus sub-domínios, você estará aceitando as condições e termos aqui expressos, sendo responsável único e exclusivo, perante terceiros, sobre a (i) veracidade, (ii) legalidade, (iii) exatidão e (iv) boa-educação das informações que prestar e gerar nas caixas de comentários, isentando o mantenedor da página, de forma irrevogável e irretratável, de qualquer reclamação oriunda do mau-uso da página, pelo usuário. Se tiver qualquer dúvida a respeito de tais atributos, não comente.